Saiba o que há por trás do Chorinho

Pra Pensar

Choro, como gênero musical, surgiu no Rio de Janeiro e tomou forma no início do século XX, mas pra quem é fã de verdade, sabe que sua origem vem de meados do século XIX. Ele foi criado a partir da mistura de elementos das danças de salão europeias, da música popular portuguesa, além de ter influência nas danças africanas. O contexto histórico da época em que se tornou gênero era representado pela abolição da escravidão e crescimento da classe média urbana, população até então mais interessada nesse estilo musical.

Os primeiros conjuntos de Choro surgiram na década de 1870, nascidos na Cidade Nova e nos subúrbios carioca. Esse estilo trouxe um comportamento muito peculiar em sua composição, uma vez que a improvisação traz traços da originalidade brasileira, sendo essa característica fundamental ao bom “chorão”. Pode-se dizer, portanto, que a criatividade é vista como uma habilidade necessária e quase que um pré-requisito para o desenvolvimento desse gênero. Além disso, a variedade em sua composição sempre foi presente, já que não há restrição quanto ao número de instrumentos e participantes dessa grande roda que é formada.

Grandes vozes fazem desse estilo a alegria do povo até aos dias atuais. Pixinguinha, Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Zequinha de Abreu, Paulinho da Viola, Altamiro Castilho, Jacob do Bandolin e Waldir Azevedo são exemplos de virtualidade e tradição nesse ritmo. A liberdade e autenticidade representadas por essas personalidades os transformaram em ícones do ritmo que tira sorrisos de diferentes gerações, ainda que tantos anos depois de suas criações.

No dia 23 de abril, é comemorado o Dia do Choro em homenagem ao aniversário de Pixinguinha, figura importantíssima para esse gênero. Vale lembrar que suas composições como “Carinhoso”, “Rosa”, “Ingênuo” e “Lamentos” são consideradas grandes sucessos. A Radio Ibiza aproveita a oportunidade para parabenizar todos os músicos desse estilo musical que envolve muita energia e encontros, dos previstos até aos mais inusitados.

Diga-se de passagem, é uma data de muita festa e celebração, afinal, Pixinguinha e os demais “chorões” nos deixaram muitas lembranças boas e memoráveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *