Exposição LUZ BALÃO

Exposição LUZ BALÃO Preço: Entrada Franca Local: Solar Meninos de Luz – Rio de Janeiro Dia e horário: 08 de março, das 16h30 às 19h Mais informações LUZ BALÃO é uma tessitura lúdica, um jogo entre a regra e a imprevisibilidade, entre a dádiva e o desafio. A curadoria é apenas o gatilho que inicia o processo de um tear coletivo. Assim, lancei uma palavra-disparadora – HORIZONTE – para 4 artistas que retribuíram com um trabalho relacionado à palavra recebida. Depois, cada um deles convidou um outro artista e lhes lançou uma outra palavra associada com HORIZONTE. Estes, por sua vez, realizaram um trabalho suscitado pela palavra que acolhida e convidaram mais 1 artista, desafiando-os como uma palavra associada com a palavra que receberam, repetindo-se o processo sucessivamente. Assim, Ana Tereza, Fernanda, Talita, Adolfo, apanharam no ar a palavra que lhes arremessei: HORIZONTE. Ana Tereza enviou LINHA para Cláudia, que enviou BORDA para Denise, que enviou PONTE para Bete, que lançou ARCO-ÍRIS para quem quiser continuar o jogo… Fernanda enviou ÁGUA para Mercedes, que enviou VENTO para Roberta, que enviou MARÉS para Maria Fernanda, que enviou GRAVIDADE para quem quiser apanhar… Talita enviou VOO para Ana Vitória, que enviou NUVEM para Sonia, que enviou SOMBRA para Chang, que enviou AURORA para quem quiser… Adolfo enviou CABEÇALHO para Mauro, que enviou ANOITECIMENTO para Celina, que enviou VERDADE para Julio, que enviou AUTORRETRATO para quem… O título “Luz Balão” colhemos do último verso do poema “Tecendo a manhã” de João Cabral de Melo Neto, trazido por Cláudia Lyrio. Este texto-obra-exposição comum foi tecido de delicadezas e cuidados. O jogo continua, como a vida, esta equação difícil. Quem quiser, que apanhe uma palavra, uma imagem, este afeto e os lance metamorfoseados a outro e a outro e a outro… Em horizontes e tendas e manhãs que se tecem ao infinito. Tecendo a Manhã. João Cabral de Melo Neto Um galo sozinho não tece a manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro: de outro galo que apanhe o grito que um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzam os fios de sol de seus gritos de galo para que a manhã, desde uma tela tênue, se vá tecendo, entre todos os galos. E se encorpando em tela, entre todos, se erguendo tenda, onde entrem todos, se entretendendo para todos, no toldo (a manhã) que plana livre de armação. A manhã, toldo de um tecido tão aéreo que, tecido, se eleva por si: luz balão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *