Música e Emoção: sobre o filme “Nasce Uma Estrela”

PRA OUVIR ·

Gerar expectativa na legião de fãs de uma das maiores cantoras do pop music e ainda superá-las ao longo de 2h15, só mesmo um filme sem clichês. O drama/musical, “Nasce uma Estrela”, sob a direção e atuação de Bradley Cooper e atuação de Lady Gaga, é a prova viva (ou seria cantada?) de que sempre dá para melhorar.

O filme, com nome original “A Star Is Born”, é o quarto da série de roteiros (1937, 1954 e 1976) baseados nas ideias de William A. Wellman e Robert Carson. Na obra da vez, somos convidados a entrar na vida de Ally, uma garçonete aspirante a cantora pop (Lady Gaga) que se torna aposta amorosa e musical de um cantor de country rock (Cooper).

Com exceção do clássico de Édith Piaf, “La vie en rose”, lindamente interpretado por Gaga, todas as músicas da obra foram especialmente compostas por ela, Cooper e um grupo de compositores profissionais. Na lista, destaca-se o talentoso Mark Ronson, que já é conhecido por ter uma boa relação com hits: além de ter sido produtor executivo do álbum “Joanne” (2016) e “Back to Black”, da saudosa Amy Winehouse, desta vez traz como produção uma das principais músicas do filme, chamada “The Shallow”.

Entre cenas do festival americano, Coachella e do inglês Glastonbury, “Nasce Uma Estrela” se desenvolve sob um fato interessante: Gaga preferiu contrariar o que de praxe acontece na maioria dos musicais. Assim, todas as vezes em que o casal protagonista se apresenta, seja juntos ou separados, saiba que cantaram ao vivo, sem dublagens – realmente não dava para esperar de Gaga que ela dublasse sua performance no set, não é?

Neste longa, em que Gaga nos apresenta um novo dom e Cooper tem elevadas chances de levar a estatueta da academia, o espectador que se prepare, pois vai provar boas doses de emoções vividas no palco bem como a adrenalina do backstage de um rock star – e ambos muito bem acompanhados.

Ouça aqui a trilha sonora do filme:

carregando